A Síndrome de Asperger está inserida nas Perturbações do Espectro do Autismo e tem como características mais gerais os défices na interação social, comunicação e padrões de comportamentos repetitivos e estereotipados (Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger). O percurso escolar, social e também o pós-escolar é muitas vezes condicionado pelo perfil destes jovens. Neste sentido, é importante que possamos ajudar estes jovens a encontrar respostas que vão ao encontro dos seus talentos e desejos. E é neste momento que nos surpreendemos com as inúmeras possibilidades de encarar a diferença como uma mais-valia. Para tal, estabelecer parcerias sólidas com a comunidade e as empresas é o início desta jornada.

O final do percurso escolar e a entrada no mercado de trabalho é um momento marcante na vida de todas as pessoas. A necessidade de reunir não só as competências técnicas, mas também ser capaz de gerir as emoções, trabalhar em equipa e tantas outras são exigências impostas a quem queira integrar o mercado de trabalho, inclusivamente a jovens com síndrome de Asperger. Por esta razão, nesta fase para jovens com este perfil é fundamental que tenham um conjunto de apoios, que os preparem para a empregabilidade – construir um curriculum, perceber quais os seus talentos e refletir sobre quais as competências a desenvolver.

 

1) Acolhimento

Conhecer as potencialidades, talentos e dificuldades, e os sonhos.

2) Estrutura e planeamento:

Plano de intervenção para definir metas a alcançar, ações a desenvolver para alcançar essas metas no que diz respeito ao desenvolvimento de competências e apoios e suportes a desencadear. Fazer o levantamento de empresas que vão ao encontro do perfil do jovem.

3) Implementação

Encontrar resposta mais adequada para o jovem, contactar a empresa, preparar o jovem para a entrevista; apoiar também a empresa.

4) Acompanhamento

O trabalho realizado na Associação VilacomVida assenta na crença de que cada indivíduo possui talentos a serem revelados e, nesse sentido, o nosso papel com o jovem é apoiá-lo através de um planeamento centrado na pessoa. Já com a comunidade é de fazer pontos, criar parcerias e desmistificar a diferença.

 

Assim, vimos partilhar um pouco da história de dois jovens que são acompanhados pela VilacomVida, cujos talentos vamos desvendar.

O Nuno, um jovem de 26 anos alegre, observador e interessado, que após passar por algumas experiências trabalho, descobriu a sua vocação: trabalhar com crianças. Atualmente está a desenvolver um estágio numa escola, como Auxiliar de Educação e diz ser feliz com o trabalho que realiza junto dos alunos. Na sua opinião, “Ao entrarmos na escola, abrimos logo um sorriso, mesmo se estivermos tristes.”

Este jovem teve a oportunidade de realizar algumas experiências em áreas diversificadas e, assim, poder encontrar o lugar no qual realmente gostaria de estar. O nosso acompanhamento continua, no sentido de possibilitar momentos de reflexão com o jovem e o seu empregador para levantamento das necessidades, assim como das conquistas do trabalhador.   No caso do Nuno, a continuidade nos apoios propicia-lhe momentos para pensar nos desafios próprios do contexto de trabalho, assim como nas estratégias que podem ser implementadas para superá-los.

 

 

David, um jovem de 24 anos, com toda a sua simpatia e bom-humor, está integrado na equipa das Cookies com Vida, um programa de confeção de bolachas desenhado pela Associação e apoiado pelo Prémio BPI Capacitar 2020. Na opinião do jovem, trabalhar na área da restauração, uma área de que gosta muito, permite-lhe contactar com o público e conversar com os clientes. Este contexto de aprendizagem tem-lhe permitido desenvolver competências técnicas, estabelecer novas relações e ter novas experiências.

O impacto da empregabilidade não se resume só à vida dos jovens, mas também à vida das suas famílias, das empresas e da própria comunidade que aprende a ter um novo olhar sobre as capacidades destes jovens.

 

É fundamental partilharmos os talentos dos jovens e potenciarmos um objetivo comum: a  contratação  e/ou treino de competências inclusivos de jovens-adultos, A área da restauração, – um setor que, pela simplicidade de muitos dos seus processos de produção e de serviço, é manifestamente adequado à descoberta de talentos – é aquela que, por inerência no nosso projeto-piloto “CafécomVida”, melhor conhecemos para fazer despoletar todos estes talentos.

Estes são apenas dois de muitos exemplos inspiradores de jovens que aprendem, desenvolvem competências, são integrados e que fazem a diferença no trabalho que realizam.

Juntos, estes jovens trazem uma mudança na perspetiva limitada que a sociedade, muitas vezes, possui das suas reais capacidades. Eles provaram que não só são capazes, mas que fazem a diferença por onde passam.

Cada um de nós pode e deve fazer a diferença na vida de todos e cada um dos jovens, seja no apoio à sua contratação, no desenvolvimento de competências importantes para empregabilidade ou no apoio às instituições que realizam este tipo de serviço. Integrar através do trabalho, porque a diferença enriquece todos.

E se agirmos assim, um dia a diferença já não se vê. Fará genuinamente parte de nós.

 

Conheça mais sobre a nossa parceira Associação VilacomVida aqui.

Partilhar a história